Buscar
  • Dra. Maíra Scapolan

DEZEMBRO LARANJA

Atualizado: 4 de Dez de 2018


VAMOS FALAR SOBRE CÂNCER DE PELE?



Começou o DEZEMBRO LARANJA – Campanha Nacional de Prevencão ao Câncer de Pele. O câncer de pele inicia-se como uma proliferação descontrolada das células da pele, normalmente após anos de acúmulo de agressões ao DNA dessas células. As agressões ao DNA da pele se dão principalmente via exposição solar desprotegida. Tem como fator de risco maior a exposição a raios UV, especialmente aos raios UVB que impedem a capacidade de diferenciação e queratinização de células epiteliais imaturas pluripotentes, ou seja, as células novas da sua pele não conseguem se maturar em células normais e acabam virando um câncer. No Brasil, o INCA – Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 176 mil novos casos só nesse ano.


Está associado a exposição solar intermitente na infância e cumulativa ao longo da vida. Não ache que, porque o vermelho da exposição solar melhorou, você está livre do risco - isso explica o fato de os médicos enfatizarem tanto a importância do uso do filtro solar. Essas exposições se “somam” aumentando os riscos para aqueles que tiveram maior e mais intensos períodos de exposição. Outros fatores relacionados ao seu surgimento são radioterapia prévia no local, contato com compostos de arsênico e imunossupressão. Na grande maioria, o câncer de pele é resultante da exposição ao sol sem proteção, porém, também ocorre por alterações hereditárias e genéticas. Existem síndromes relacionadas com o aparecimento de múltiplos tumores de pele como a Síndrome de Gorlin-Goltz (também denominada Síndrome do Carcinoma Basocelular Nevóide, ou ainda, Síndrome do Nevo Basocelular).


Dependendo da camada da pele em que isso ocorre, os cânceres de pele serão de tipos diferentes. Os principais são: carcinoma basocelular (CBC - o mais frequente e com grandes chances de atingir a cura); carcinoma espinocelular (CEC - o mais prevalente, se desenvolve em áreas expostas ao sol) e melanoma (menos frequente, mas muito mais agressivo, altos índices de mortalidade – deve ser diagnosticado precocemente).



Quadro Clínico


Os tipos mais comuns de tumores de pele (CBC) têm como lesão inicial uma pápula rósea de borda perlácea, evoluindo para lesão típica sólida nodular com presença de teleangiectasias (vasinhos de sangue pequeninos ao redor da mancha rosa). As localizações mais comuns são as áreas fotoexpostas – face (especialmente 1/3 superior), pescoço e mãos. O tumor é de crescimento lento e apresenta malignidade local, com baixíssimo potencial de metastatização.


Já o melanoma se mostra como uma pinta normalmente assimétrica, de bordas irregulares, com contorno pouco definido, pode ter duas ou mais cores na mesma lesão. Pode surgir espontaneamente ou de alguma pinta (nevus) prévia. Por isso a importância de sempre mostrar suas pintas ao seu médico, em especial o dermatologista e o cirurgião plástico, principalmente para aqueles com experiência em tumores de pele. No consultório fazemos um exame chamado de dermatoscopia, que ajuda - MUITO - a saber se aquele nevus deve ser retirado e mandado para biópsia.



DICAS PARA SE DESCONFIAR DE UM TUMOR DE PELE:


☼  Manchas na pele que coçam, ardem, descamam ou sangram ☼  Feridas que não cicatrizam em até quatro semanas

☼  Pinta muito escura, de várias cores, assimétrica

☼  Pinta que mudou de aspecto ou cresceu




FIQUE LIGADO NOS FATORES DE RISCO E SIGA AS DICAS ABAIXO:


☼   Evite a todo custo a exposição excessiva ao sol sem protetor solar adequado.

☼  No dia-a-dia lembre-se de repassar o protetor solar conforme orientado pelo fabricante na embalagem.

☼   Caso vá à praia, ou passe longos períodos exposto ao sol, aplique o protetor solar a cada duas horas - após cada mergulho, enxugue-se e passe novamente o produto.

☼   Caso use produtos cosméticos com protetor solar, como maquiagens, a recomendação é a de lavar o rosto e reaplicar o produto.

☼   Atenção aqueles que suam muito: mesmo sem entrar no mar ou na piscina, você deve lembrar de reaplicar o filtro.

☼   Aqueles que já tiveram queimaduras com formação de bolhas por exposição ao sol, devem ter atenção redobrada.

☼   Evite tomar sol nos horários com maior incidência de raios ultravioletas (das 9h às 15h).

☼  Pessoas com pele, cabelos e olhos claros apresentam maior risco de contrair a doença e devem redobrar a atenção no uso de protetores solares.

☼  Antes de sair de casa, sempre aplique o protetor solar (peles claras – fator 40/50 e peles escuras – fator 30), independente de ir à praia ou não.

☼  Procure usar chapéus com abas de no mínimo 7 cm, óculos de sol e roupas com proteção UV.

☼ Evite o uso de bronzeadores, ou produtos caseiros, que acelerem o bronze - eles não protegerem contra raios UV/A e UV/B que podem ocasionar o câncer de pele.


Para aqueles que são vaidosos (a maioria de nós, certo?): o sol, além de provocar o câncer, envelhece e mancha muito a pele - um estímulo extra para lembrar que vale a pena sempre se cuidar.


Saiba mais no site do cirurgião especialista em tumores de pele - Dr. Ivan Dunshee:

https://www.ivandunshee.com.br/melanoma


Estou a disposição para responder dúvidas e comentários!


Um beijo de filtro solar!


40 visualizações
  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle

© 2019 por Dra. Maíra Benito Scapolan - CRM-SP: 146.355. São Paulo - SP, Brasil. Todos os direitos reservados.

  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle